Blog
#

LAVAGEM DO BONFIM: HISTÓRIAS, SINCRETISMO E FÉ

Realizada na 2ª quinta-feira do ano, a Lavagem do Bonfim, é reconhecida como um dos maiores eventos religiosos do mundo. Em 2014 recebeu o título de Patrimônio Imaterial Nacional, mas muitos anos antes disso, a história nos conta que a lavagem teve início em 1773, quando integrantes da “irmandade dos devotos leigos” obrigaram os escravos a lavarem a igreja como parte dos preparativos para a festa do Senhor do Bonfim. A lavagem acontece na parte externa da igreja, nas escadarias e no adro.

Com saída logo nas primeiras horas da manhã na Basílica de Nossa Senhora da Conceição da Praia, centenas de baianas, todas caracterizadas de branco (que se refere a cor de Oxalá – divindade do candomblé) e com suas quartinhas de água de cheiro, percorrem os 8 km até chegar a Igreja do Senhor do Bonfim, na famosa Colina Sagrada. Um percurso muito festivo cheio de cânticos, batuques e com a presença de milhares de fiéis, além de membros políticos do estado.

FITINHAS DO SENHOR DO BONFIM

As fitinhas do Senhor do Bonfim é uma das marcas não só da festa, mas sim da Bahia. Para muitos, seu significado se remete a fé. A superstição começou com o povo baiano, mas atualmente todos que visitam a cidade tem a curiosidade de seguir a superstição, que é a seguinte: ao amarrar a fita no braço, a pessoa dá três nós e faz um pedido a cada nó. Diz a tradição que quando a fita cair espontaneamente é porque os desejos serão atendidos pelo Senhor do Bonfim. Porém não vale contar os pedidos nem cortar a fita, ela tem que partir sozinha. Os mais fiéis dizem que realmente dá certo.

Diante de um evento tão grande como este, provavelmente fatos engraçados ou marcantes já te aconteceram durante o cortejo da Lavagem do Bonfim. Quer nos contar? Deixe sua história nos comentários.